frangoperu

O Natal na minha família esteve sempre cheio de rituais, um dos mais importantes o Tender da Sadia que minha mãe preparava. Falo daquele tender grande, com osso, que após horas no forno desfiava. No dia seguinte, fatiado e num pão quentinho era também (ou mais) delicioso. O atual “mini-tender bolinha desossado” não chega nem aos pés do Tender Suíno com Osso (chamemos de TSO). A Sadia é uma companhia que começou  na metade do século passado e sempre passou uma imagem de tradição e qualidade em tudo que fez. O “S” de Sadia em alto-relevo em peças de frios é um exemplo de “branding” de verdade (ver meu blog “Product Manager ou Brand Manager?”).

Por malabarismos financeiros em 2008 (derivativos etc) ela foi à bancarrota e foi comprada pela arqui-rival Perdigão e hoje formam o conglomerado BRF. Devido à concentração da participação de mercado nos segmentos de presunto, linguiça, salame, tender, pernil e paio o CADE exigiu em 2011 que a BRF suspendesse por 3 ou 4 anos a comercialização da marca Perdigão nessas categorias, permanecendo a marca Sadia no mercado. Em 2015 a BRF relançou a marca Perdigão como forma de combater o novo arqui-inimigo Seara.

Algo ocorreu nessas idas e vindas Sadia-Perdigão. Diversos produtos desapareceram, entre eles o TSO (Tender Suíno com Osso, lembra?) . Minha mulher tentou encontrar o TSO neste final de ano. Não foi a única pessoa e logo todos se deram conta que o TSO havia chegado ao seu fim. Vejam duas reações no facebook:

_________________________________________________________________Renata: Isso não pode ser verdade!!!!Assim não dá para segurar as tradições!!!!! Natal perfeito na parte da comida é claro!!! Tem Q ter tender com osso da Sadia 😂😂😂.

Nicolas: que isso eim Sadia, falta de respeito com o consumidor. Faz pelo menos 10 anos que o tender com osso sadia está presente no natal aqui. #nataltriste

_________________________________________________________________

Outros posts trazem um pouco de tudo: revolta, decepção, incitação ao boicote dos produtos Sadia, indignação com a falta de respeito ao consumidor.

O que levou a Sadia a descontinuar o TSO é um mistério. Pode ter sido uma questão de baixa margem do produto, supply, problemas na cadeia de frio, baixo volume de vendas e vai por aí afora. Qualquer que seja a razão, mercadologicamente foi um equívoco. Apostou-se na modernidade e facilidade de preparo e subestimou-se o expressivo contingente de fãs do Tender Suíno com Osso, que tem um apego emocional forte à marca. Este apego gera um “halo effect”positivo que beneficia a imagem de todo o portfolio Sadia. Inconscientemente, os momentos mágicos do Natal de nossas infâncias ficaram indelevelmente conectados ao aroma agridoce do TSO no forno. Os presentes, a família unida, a chegada de Papai Noel. Os laços emocionais com uma marca são misteriosos e há hoje um sentimento de decepção geral dos consumidores.

Minha mulher ligou no 0800 da Sadia. A interrupção do TSO foi, de acordo com eles, uma decisão do marketing de “diversificar o portfolio”.

Eis alguns dos produtos da linha de Natal “diversificada” da Sadia: peru recheado com farofa e alecrim, peru congelado sabor manteiga e ervas, pernil temperado com vinho espumante, pernil fácil sabor alho cebola e ervas… O marketing da Sadia deveria ter aprendido que Natal é sinônimo de tradição, o oposto da diversificação. É um momento de preparar a ceia com calma, por horas. Ninguém quer peru-fácil-recheado-temperado-enfia-no-forno-tira-e-tá-pronto.

A Sadia, matando o TSO, matou simbolicamente o Papai Noel?!

Advertisements